Agradecimento

Cheguei a agradecer? não sei se alguma vez por simples palavras conseguirei agradecer-te pelo que  me fizeste. É certo que o mundo é demasiado redondo, dá demasiadas voltas sobre si mesmo e em volta do sol… demasiadas para se poderem contar ou até tentar tomar consciência disso.

Detesto culpas. A culpa não sendo explicita é apenas um espinho para cravar quase sempre no coração dos inocentes. Ninguém poderia imaginar que seria uma viagem para dentro da minha própria lixeira e que no fim ficaria a perder. Ninguém poderia imaginar que o deserto seria tão comprido e que seria eu o camelo destinado a atravessá-lo, carregada e sem água.

O dia sucedeu à noite e nova noite precederá ao dia e o mesmo cansaço demasiado grande para conseguir contabilizar, mantém-se apoderado do meu corpo que ficou frágil sem que eu o supusesse. As palavras saem em esforço quase que obrigadas a interagir com o que o rodeia e este mar que há em mim, turbolento maçador, revolveu as areias do pensamento e tomou conta da terra…

Um comentário em “Agradecimento

Os comentários estão encerrados.