Sem categoria

Move-te

E um dia acordas e vês tudo aquilo que perdeste, enquanto olhavas para o horizonte. À tua volta tudo se mexeu e tu, quieta, solitária como uma estátua ou um mimo humano onde só o sangue se move, perdeste algo insubstituível - o tempo em que podias ter transformado em sorrisos os desfiados momentos do… Continue reading Move-te

Anúncios
Sem categoria

A cair...rasgas a roupa ao cair, partes as cristalinas partes que te compõe...compões um Frankenstein e segues em frentemorta, zombie, retalhada em pedaços de morte ainda em carne vivaconfusões, ilusões, empurrõese eu...sempre eu, a cairpartida em mil pedaços de um cristal solidão, retalhos de um todo que nunca foi nada, caídos, partidos em mil pedaços que a luz desfragmenta (ou… Continue reading

Sem categoria

Talvez escrever seja uma forma subtil de querer viver para sempre...Talvez no começo, apenas desejasse segredar a mim própria o que não diria a mais ninguém; jamais.Talvez, nos entremeios dos julgamentos - sem juiz, sem lei, sem rei nem roque - me tenha apercebido que a vida não se faz de amanhãs que não existem… Continue reading

Sem categoria

Uma de muitas, nenhuma inteira, nenhuma completa; fantasmas de outras eras, embrulhados como folhas de papel velho, usado. Nessas folhas repousam histórias que já ninguém quer ler...O que será ninguém sabe, ninguém poderá saber. Se me levanto, inteira? não sei, talvez levante velhas pontas, velhas pontes.O que fica, alguém poderá um dia dizer: foi? não,… Continue reading

Sem categoria

This is a dream

Abriste a porta e o horror entrou, percorreu a sala com o olhar e encontrou o canto ideal onde se esconderia para puder aterrorizar o resto dos teus momentos de descanso...É a própria imaginação a tua única guerra, com ela ensaias terrenos de uma batalha que parece um jogo do 3º milénio. Personagens irreais dançam em movimentos electrónicos, com… Continue reading This is a dream

palavras

Curar-te

Há feridas que não têm cura. Acompanham-nos desde a mais tenra idade e prosseguem, tal como nós, pelos anos afim. De nada valem os pensos, as mezinhas, as tentativas infundadas de esquecer a sua presença. Tentamos esquecer a dor, mascará-la numa outra coisa, sempre que, por azar, volta sangrar.Melhora, ás vezes parece até que vai… Continue reading Curar-te