Foste

Podia ter subido a escada, mas não subi. Podia ter usado da palavra, mas não usei.  A voz que me dói é um silencio que rasga as palavras que se formam constantemente na minha cabeça e não dizem nada de mim.
Podia ter acontecido tanta coisa que não aconteceu e aconteceu tanta coisa que podia não ter acontecido. A vida é uma incerteza, um jogo de sorte, de azar e de probabilidades que estatisticamente não têm significado nenhum.

Olho a escada sem qualquer vontade de a subir. Conseguiste convencer-me que afinal, lá em cima não há mesmo nada para mim. Não me preenchem esperanças vãs.  Não somos, não fomos, não seremos nada. Somos uma comédia de enganos. Um livro de anedotas que não me lembro de ter divertido ninguém. So se lágrimas e  vazio começarem a ser diversão.

Cruzaste no caminho com uma outra imagem, que tem feito serenamente o que não conseguiste fazer.Esquecer. Estabilizar. Estabilidade é a suprema máxima necessária no coração de uma mulher. que não a souber cultivar, não tem lugar possível, num abraço sincero, no colo de uma paixão.

Apaixone-se por alguém que tenha atitude 

E que saiba te dar toda atenção.
Apaixone-se por alguém que te olha com admiração
E que sintoniza com os desejos do seu coração.
Apaixone-se por alguém que desperte em você o desejo de conversar para o resto de sua vida
E que sabe silenciar e escutar na sensibilidade do compreender.
Apaixone-se por alguém que entenda de reciprocidade
E que seja feliz na beleza da gratuidade.
Apaixone-se por alguém que goste da sua pessoa
E que não calcule o amor por você.
Apaixone-se por alguém que se deixa amar de verdade
E que saiba viver no mesmo dinamismo.
Apaixone-se por alguém acima de tudo humano e não perfeito
E que saiba transformar dificuldades em oportunidades.
Prof. Canísio Mayer




...não foste nada disto para mim




No seu lugar…o sonho

….e ainda te sonho como se as promessas tivessem sido concretizadas, como se os quereres tivessem sido alimentados pela pele vestida com a tua presença, como se os dias, os anos, os lustros fossem coisa de histórias de encantar e só servissem para entreter  realidades…
….e ainda te sonho, com as borboletas a percorrerem todos os poros da minha pele,  por ti (só a barriga não chega) por ti e só por ti, vagueio pela realidade das nossas promessas acreditando, que mesmo depois de anos, dias, lustros, hás-de chegar,  espantar as borboletas, para ocupar o seu lugar, o teu lugar…

Palavras que não combinam

Amor e medo, palavras que não combinam…mas se o amor não nos impulsiona para a frente o que faço eu com o medo que me engole as entranhas e devora em doce mastigar lentificado a voz que se perpetua por entre os códigos mágicos que transcrevem, hoje, as linhas da minha paixão… (?) confundem-me as palavras que se fundem na minha imaginação onde o medo se transforma em gente, gente que sente, que se descontrola por sentir.

Parada sonho-te, amada sonho-me e o medo conforta-me a solidez da quietude. Penso-te em sentimento. Quieta

As confusões invadem-me o espirito e as dúvidas pousam , como se aves fossem, nos ramos que o medo criou no meu agir. Fico, filosofando sobre as questões de um porquê e paro, quando a felicidade começa a atingir o meu ponto de ação.

Saberá o amor a medo?

Amor e medo, palavras que não combinam…

Sou uma árvore imóvel, à espera que o amor venha fazer o ninho nos ramos que o medo criou…

Baixar as armas

Fomos uns lutadores, não fomos? Olho- te nos olhos, sem os ver. Vejo para lá do que os olhos disseram…e demorei tanto tempo para conseguir ver. Talvez demais. Talvez o suficiente, o necessário para te ler já sem necessitar olhar. Para saber. Compreender. Julgamos demais. Queremos demais . Esquecemos que a arma apontada, afiada, raramente trará perdão. O perdão vem da palavra. Da expressão. Baixa a tua. Eu baixo a minha. Façamos agora o caminho lado a lado. O planeado. O desejado. Adoro ler-te as entrelinhas entre os movimentos da respiração. És o desejado.O ar que te entra, que te alimenta é também o meu
 E luto, muito, agora para te  ver sorrir, para me ver sorrir. Porque mereces, finalmente, o tratamento adequado para o descanso do guerreiro. A tua é a minha luta para as armas repousem enfim…