Apenas mais um ser

Ser apenas só um ser. Depois das portas fechadas, dos caminhos errados, das decisões tomadas por cima de suposições inglórias, as mãos vazias de tudo é o que sobra. Sobra o tempo para se desfazer noutros caminhos desertos onde a confiança abandonou já a beira da estrada e o sol parece querer esconder-se diariamente entre as nuvens que se movem, apenas para trocar de lugar e forma, com outras a elas iguais.

Só quero envelhecer, partir, levando a alma a passear por entre os montes e vales que o dever não me deixou descobrir. Já não encontro nada de novo aqui.

As pessoas são como as nuvens, vão e voltam e mudam de forma apenas para ocupar um lugar e somos, afinal, apenas mais um de tantos seres humanos.

Os planos fizeram-se mal calculados, as construções caíram pelas fundações e eu quero apenas ficar velha, sem nada mais para oferecer para que não me seja pedida nem mais uma batalha.

Procuro o fim com a mesma agonia com que fui desfiando os novelos desta sorte que me calhou, no fundo o que eu quero é ficar velha e ter a certeza que o que era por dever ser feito assim ficou, cumprido e depois, só depois, descansar, e partir pelos montes e vales por onde. agora, só posso deixar ir o meu pensamento…

what were all those dreams we shared
Those many years ago?
What were all those plans we made
Now left beside the road?
Behind us in the road


Um comentário em “Apenas mais um ser

Os comentários estão encerrados.