pés no chão

A tristeza invade o corpo mas a alma grita tentado libertar-se das mordaças de um corpo preso ao chão. Os pés pesam a cada passo, na face o sorriso em mira. Um passo a seguir ao outro e os ombros sacodem a frustração. O caminho abre-se na distância e eu caio no chão. Só mais um passo, um passo no caminho da multidão. Esforço continuo para dar uma nova curva. As vozes surdas gritam nomes que eu não quero ouvir. Concentro-me no sorriso. Caminho para sair da escuridão. A tristeza liberta o corpo e o peso transforma-se num chavão. Dizem que a luta nos torna mais fortes. Fortaleza de pedra, amo, com os pés pregados ao chão