Dar fruto

Seguras-me com a delicadeza de quem não quer ferir a fragilidade. Sucolenta – chamas-me. E eu, lenta, frutifico as vitaminas de carinho que me ofereces e vou lentamente crescendo , afirmando, ainda presa ao chão, para que possas acolher-me, doce, alimentar e fresca dentro do teu coração.