Tudo aquilo que parece não quereres saber

Deixa-me dizer-te uma coisa, que talvez não saibas, talvez nem queiras saber, mas eu digo te na mesma, que as palavras não me são ainda caras e aqui posso dizer o que eu quiser: as portas não abrem se não lhes colocarmos as mãos nos sítios certos. Desculpa, tinha-me esquecido que este é um lugar supra espacial, onde tudo pode acontecer. Nesses locais é suposto as portas abrirem só porque tu assim o entendes. Só que este também é um local supra espacial meu e digo-te as portas não se abrem só porque tu assim o entendes e muito menos se entretanto as empurraste, negaste a sua importância, fizeste sentir insignificantes e lhes disseste frontalmente que não tinhas qualquer interesse em saber o que existe para lá da porta. Não meu amigo. As portas aqui não se abrem assim. As portas, neste lugar, são como as pessoas, precisam de saber que mesmo depois da humilhação dantesca ainda existe uma mão pronta para colocar a chave na fechadura. De outra forma, as portas, neste meu lugar, manter-se-ao fechadas, imóveis a observar a tua vida a passar, sem cederem um milímetro.

Não sei porquê, mas achei que devias saber isso…

Um comentário em “Tudo aquilo que parece não quereres saber

Os comentários estão encerrados.