To be come

Tinha saudades de aqui vir

Esta porta permanentemente aberta é como que a entrada para um mundo onde sou capaz de ser

To be

Aqui sou feliz. Faço bem. Sei exactamente o que estou a fazer e porque o faço

Aqui as incertezas desfazem-se no nevoeiro e eu sinto-me em casa. Sou completa. Realizada . Vejo para além do que está para vir e consigo agir

To do

Aqui sinto-me viva tal como dantes. Antes da incerteza vir.

To come

   Foi hoje que voltei a mim?

Gosto de mim assim, aqui

Deserta

image

http://gunnmgally.deviantart.com/art/desert-35742883

No meu deserto ainda se andava de camelo. Ainda o som do vento nada dizia a não ser das tempestades que estariam por vir se não mudasse direcções. No meu deserto, a vida não corria, passava, para que as noites frias mas estreladas dessem lugar a dias quentes e sem sombras.

No meu deserto eras a miragem do oásis que não iria atingir. Para se andar, no deserto, há que saber distinguir.

Depois vieram os carros, corridas, navegação por satélite e o meu deserto deixou de ser meu. Nada resta do meu deserto a não ser eu.
Deixaste de ser miragem, deixaste de ser oásis.
Diz-me o Mestre que se não me faz feliz, então não é amor. Então não é amor…

No livro que não vou escrever vai sempre haver um deserto. A imagem do caminho sem fim, por entre o pó, onde nada se vê, nada se avista, e se espera, desesperando pela miragem de um oásis.