De joelhos

image

“Araquiel” by anndr #deviantART http://anndr.deviantart.com/art/Araquiel-439512362

Achei que finalmente os céus me teriam entregue nos braços, de uma forma diferente e romântica, o amor que pedia em segredo, quando me ajoelhava para o louvar. Só que a vida não serve para isso, e ajoelhar faz doer o corpo e, ao fim de uns anos, a Alma também.

Abandonaste-me sim.

Tal como todos os outros e nos teus braços onde julgava ter-me encontrado, achei no fundo o peso de todas as mágoas que carrego. Estavam coladas ao teu corpo à espera para me abraçar de novo e eu não percebi. Eu, que as julguei enterradas tão fundo como os primeiros braços frágeis e pequenos, fruto da minha criação

era loiro, foi tudo o que cheguei a saber e só isso me bastou e foi demais, frio e pálido não me serviria de nada senão de quadro, retrato para guardar na mesma caixa onde tudo guardo, em sossego, onde deve permanecer

De que falava eu ? Ah! já sei, dos braços que me enfeitiçaram

Vi-os hoje, braços como os teus. E vi de novo a vida tal como ela foi.

Prefiro a vida que vejo. Onde de facto, tal como dizes, nunca te encontrei. Prefiro perder-me dentro dos meus próprios labirintos a voltar a ter esperança. Porque a esperança, tal como tu, é falsa, e falha-me sempre nas alturas em que tenho mais medo. Nessas, sobra-me sempre o mesmo e ajoelho.

Eu, de pouco ou nada tive medo na vida. Mas na única vez que tive realmente medo, percebi que o medo me salvaria de todas as futuras decepções…

E vou continuar a sonhar, porque o sonho me embeleza a vida, essa que insiste em querer fazer-me enfrentar, mas da qual só percebe na terceira pessoa ( a vida, dura e crua)

.

E vou continuar a calar, porque quem se esconde quando o medo vem, também se vai, tal como outros,ajoelhar…