E quem é que quer uma ameixa????

Das muitas coisas com que sonho agora é com a altura em que poderei fazer de novo as minhas próprias receitas. Para isso, vagueio por locais como este . Hoje perdi-me um pouco por aqui   e fiquei a lembrar-me duma altura em que subia à arvore para as apanhar e comer de uma assentada só. Nessa altura as ameixas ainda eram pequenas, moles, suculentas, e desfaziam-se na boca em doce, num não querer parar mais de as comer. A arvore era enxertada e havia delas vermelhas e amarelas ao “gosto da freguesa”. Nessa altura não pensava em calorias, nem em dietas, nem sequer em como eram saudáveis aquelas pequenas frutas. Hoje em dia para comer ameixas como deve ser  já  é preciso muito mais atenção.  A maior parte das que se vendem por aí são duras, amargas e grandes demais para o meu gosto, mas um verdadeiro encanto para os olhos. Até a ameixa , simples, pequena e portuguesa, sofreu os achaques da globalização e vende-se verde e dura à espera de amadurecer. Alguém me ensinou um dia que fruta boa era aquela que não se comprava com os olhos, é por isso que gosto de lhe mexer ( sim, sou das que gosta de “apalpar” a fruta antes de a por no cesto !!!) e se tiver a pontos de se esborrachar quando lhe toco, então sim, tenho a certeza que era mesmo esta a ameixa que eu queria: simples e gulosa ameixa portuguesa ( e já agora – descobri hoje – com tão pouca caloria…) . Até nisso o Verão é imbatível: na fruta sumarenta e deliciosa, que torna muito mais fácil qualquer dieta.