A sul mas a oeste

Gostava de ter ido ao Sudoeste. Não que ainda me fascinem aqueles ambientes de pó e confusão,  mas porque estive lá,  no seu nascimento e nos primeiros anos e sou uma saudosista. Em 18 anos muita coisa muda. Eu sei o que mudou na minha vida e gosto de ver as mudanças que vão ocorrendo,  nas coisas e nas pessoas, enquanto a vida se vai fazendo.  O ser humano fascina-me! E é nos aglomerados de pessoas que se pode observar o melhor e também o pior. Assim também se aprende, mais que não seja aprende-se pela observação aquilo que se quer ou não , para a nossa vida.

A música leva-me a qualquer lado ( já se sabe) e sou capaz dos maiores sacrifícios só para ouvir alguém que goste.

Não fui porque neste momento as minhas prioridades são outras e para atingir o objectivo a que me propus tenho que trabalhar e poupar,muito. Estou a falar da minha nova casa, claro! De me desfazer do peso velho, abrir as portas a uma nova oportunidade e construir os meus sonhos.  O fogão já está no lugar, prontinho a debitar receitas o mais naturais e naturistas possíveis. Neste momento mudei o meu foco para a cama dos meninos.  Reaproveitar é a palavra de ordem. Conseguir fazer o que quero com aquilo que já cá tenho. Agora vai ser vê-la a aprender a pintar madeira. A cama preta vai dar lugar a uma cama branca e azul,  assim eu consiga ,com as minhas mãos, transformar o sonho em realidade ( nunca fui boa em trabalhos de mãos ).  Talvez tire umas fotos do antes, do durante e do depois,  para sempre que me der na cabeça  – que não consigo fazer qualquer coisa – me possa lembrar que com paciência e vontade, tudo se faz, mesmo que para isso seja necessário algum sacrifício.