A reviravolta da batata frita

Confessem, já estavam a estranhar eu me manter quieta por aqui, há tanto tempo, sem haver mudanças.
Setembro é sempre um tempo de ajustes e mudanças e o meu Setembro é, inevitavelmente, sempre assim. Mas agora já chegou Outubro e com ele o Outono.
Mudei de casa, estou a mudar de hábitos alimentares, mudámos de estação e, claro está, mudamos as cores do blog para adaptá-lo ao Outono, sempre com a imagem do Verão à cabeça. Parece-me bem e além disso eu sou incapaz de manter seja o que for, sem me permitir ou perspectivar a possibilidade de mudanças, que não têm que ser rupturas, apenas ajustes ou, mais que não seja,  mudança de visual.

Nesta coisa das mudanças acrescento a tentativa de alterar os hábitos também dos meus pequenos ( cada vez maiores, mas vá! ). A batata frita, essa amiga inseparável da alimentação dos meninos sofreu também ela uma mudança e passou, desde ontem, a chamar-se oficialmente, lá por casa, a batata rústica! Vai ao forno, juntamente com 3 colheres de azeite e uns acompanhantes a gosto ( que podem ir desde a pimenta ao alecrim, passando pelo louro e os coentros) e quando está bem tostadinha lá vem ela, muito mais saudável, acompanhar as nossas refeições ( que agora são sem televisões e sem qualquer outras interferências que não sejam as nossas próprias conversas ou os desastres culinários). Se vai ser difícil adaptarmo-nos a tantas alterações? provavelmente até vai, mas nada é impossível desde que se queira muito, de facto, alterar o que não nos faz bem…