Conduções

Gosto de conduzir, sempre gostei. Houve até alturas em que me julguei uma óptima condutora. Depois, andei às voltas dentro de um carro ( sobrevivi ) a seguir chumbaram-me a condução e eu fiquei a um passo de um sonho.
Ainda conduzo embora convencida que sou uma condutora que dá para o gasto. Conduzo suficientemente bem para ser para mim um anti-stress andar com um carro nas mãos. Não me incomoda trabalhar a 30 e tal kilometros do lugar onde resido, não me importo de percorrer meio país para me encontrar com aqueles com quem me apetece estar.
Ir num dia do Alentejo a Coimbra e vir no outro, dar um saltinho a Aveiro entretanto ( desta vez conduzida e com muito orgulho) pode parecer um exagero para muitos mas para mim é a simples prova de que estou viva ( ainda ) . Sentar-me a uma mesa e falar de mim, da vida, com quem estou uma ou duas ( três numa grande loucura) vezes por ano e ainda assim parecer que foi ontem que terminamos a conversa e que sempre que falo me entendem, é sinal que todos os kilometros percorridos seriam poucos. É sinal que a amizade não tem tempos nem distâncias e podem passar mais 20 anos e ainda assim parecer que foi ontem a última conversa. E nunca faltar assunto nem coisas a aprender.

Alicia Keys – Brand New Me