Um lugar dentro de mim

O fim de semana foi maravilhoso. Depois de um dia de trabalho que marcou o fim do tempo de descanso forçado, entrei finalmente de férias ( as férias que posso ter, mas este ano muito mais leves, tendo em conta os últimos 7/8 anos da minha vida). Fim de semana de praia, claro! Entre banhos de sol e de mar, caracoladas e novos amigos, miolos à alentejana, jogos de futebol de salão e conversas animadas assim se passaram 3 dias. Hoje foi dia de regressar ao duplo e de tarde, descanso. O controlo da ansiedade tem sido uma prioridade, agora que sei que é essencial para me sentir melhor e voltei aos livros e ao meu PDA para acabar a especialidade. Devagar, que a diminuição da concentração, o défice de memória e a distracção fácil são agora muito mais dificilmente controlados. O que dantes fazia de forma muito fácil e rápida de momento leva-me o dobro do tempo e do esforço a conseguir. Mas tenho escrito umas linhas embora o trabalho, de facto, não renda muito. De qualquer das formas já consigo ler quase com a mesma rapidez de antigamente , especialmente se forem textos fáceis de compreender. A ansiedade não é nova para mim , lido com ela desde muito cedo e foi também cedo que aprendi a controla-la. Fui mais ou menos eficaz durante muitos anos, até à chegada da crise. Agora é só reaprender e reajustar o que já fazia. Já li o “Big Brother” ( 1984)  e agora tenho entre mãos um clássico que me foi sugerido no Fio de Prumo   que gosto muito de ler, e detesto quando quero ver um filme do qual ainda não li o livro, portanto, é lê-lo. Só que, comprar livros é um luxo que não me assiste ainda e enquanto estiver amordaçada pela crise ( a não ser os livros escolares para os garotos) não há compras de livros! Voltei à nossa maravilhosa biblioteca municipal. Como não são meus e não os quero estragar, os livros da biblioteca não saem de casa e em alternativa vou lendo os muitos livros que ainda tenho e que não li, já que a dificuldade de concentração e o excesso de trabalho diminuíram muito o meu ritmo de leitura.  Para as saídas e para a praia levo comigo Um Lugar Dentro de nós, de Gonçalo Cadilhe. Nada como um livro de viagens para me aguçar de novo a vontade de sonhar : ” Não importa onde te leva a viagem mas sim o que ela faz de ti “.  Hoje à tarde, foi o pensamento no desenrolar do PDA, leituras alternadas, o meu sofá – onde não me espojava há quase uma eternidade – e a máquina de lavar roupa a obrigar-me a intervalos no quintal onde me perco entre o estendal da roupa, os tomates baby e a rega da horta. Sem crianças que me deram 2 dias de folga e estão na praia com os avós. Sem pressas, sem compromissos e horas marcadas, sem demasiadas preocupações, que tristezas não pagam dívidas. E é isto, por agora…

Karma é sentires-te bem contigo próprio por teres feito o que achavas que devias fazer em benefício de outra pessoa que é teu semelhante e que não pode pagar-te o bem que lhe fizeste. Karma é um lugar dentro de ti, é um calor que sai da tua alma, esta que tens nesta vida, é o teu sorriso quando te olhares ao espelho. As contas da equação são apenas pormenores, que hão-de fluir com tudo o resto pelo espaço e tempo infinitos do Universo 



Gonçalo Cadilhe – Um Lugar dentro de ti