Grândola em festa 

…E começa a feira de Grândola. Sabendo que para os outros é apenas mais uma feira/festa, para nós, os “locals” é o evento que marca o ano. Lembro-me que, quando era miúda, os marcos do ano eram a feira e o Natal, ficando o meu aniversário muito aquém da alegria que sentia com a chegada da feira. Não sei se para todos os Grandolenses a feira marca o final/início de mais um ano tal como para mim mas marca com certeza o final do Verão e o ponto de encontro dos “filhos pródigos” espalhados por esse mundo fora e é isso também que faz da feira um momento tão especial para nós. Isso e  o facto de,nesta altura,passar por cá um estado de espírito qualquer que, de repente, nos torna a todos ligeiramente adolescentes e condescendentes com as loucuras alheias. 

Digo por graça que foi na feira que aprendi a conduzir, quando, com 12 anos o sr Adriano com a sua eterna juventude pegou nas ” gaiatas” mais novas e ” pespegou” com elas nos carros de choque ” dos grandes”. Não voltamos a fazer mais nada durante uns anos e as miúdas dos carros de choque passavam horas a conduzir num exercício de liberdade e sonho de gente grande. As luzes, a música, o barulho e a confusão fazem parte das lembranças ( o poder cantar aos gritos e o barulho ser tanto que ninguém ouvia) os saltos no Kanguru, até a minha magreza daquele tempo de juventude me fazer quase saltar da cadeira ( o susto foi tal que nunca mais voltei a andar) . 

Foi também na feira que comecei a apreciar concertos e foi aí que se iniciou o meu périplo que já leva muitos concertos no currículo, com as noites a acabar de manhã com o belo do pão com chouriço. 

Mais recentemente o cachorrão Grandolense faz as delícias do Afonso que ainda bem não acabou a digestão e já pede um cachorro que está ” cheio de fome”.

Para além de todas as memórias a feira é muito mais que isso. É uma mostra do nosso concelho, da cultura, do artesanato, da tradição e dos planos para o futuro. Comes e bebes, ris e sorris, cantas e encantas, num exercício de encontros e reencontros que faz destas uma das melhores alturas do ano, para mim. É por isso que quando os meus me pedem para ir à feira e passar horas nos carroceis, não tenho como dizer que não. Se eu também fui moça para o fazer.