Fandango das modernices 

Não sei se as pessoas são todas assim mas eu quando pretendo arrumar alguma coisa primeiro desarrumo tudo para depois voltar a organizar. O resultado é que há 3 semanas ou mais que ando nisto e continua a parecer que passou por aqui o monstro da Tasmânia. Já montei prateleiras, já caíram prateleiras, que vou ter que voltar a montar porque não as aparafusei devidamente, já montei gavetas e ainda assim continuam a haver coisas espalhadas por todo o lado. Já pus de parte a roupa que já não serve nem vamos usar, para dar. O princípio do ano escolar está à porta e não vejo a hora de orientar o novo horário que vai servir de bitola para o ano todo. Sinto-me cansada porque decifi fazer horário de médico nestes últimos dois dias e passei os dias enfiada no hospital,com a casa de pantanas e a ouvir os filhos pelo telefone. Um dos gatos há 2 dias que não aparece, pelo menos ontem, quando cheguei para dormir, não apareceu e hoje, quando saí, ainda ao lusco fusco, também não deu sinais de vida. Enfim, vida de mulher é um fandango, sempre a mexer as pernas e parece que não se sai do mesmo sítio.