Ser mãe

Dizem que Deus escreve certo por linhas tortas. Talvez. Talvez tenha exactamente na medida em que dei. As respostas secas e tortas quando as coisas não correm de feição. A energia e curiosidade electrizantes. Depois de me deitar, juro, durante a primeira hora continuo a ouvir de 15 em 15 minutos alguém chamar: mãe?…. mãe?… mãe?

Não, não tenho ainda tudo pronto, mas está quase. Chego a esta hora, depois da secretária ( finalmente temos uma secretária) estar montada e testada ( não tem as pernas tortas, o que é positivo) sinto-me como uma bola de papel amassado que serviu para dar uns toques. Terminaram as férias e amanhã começamos o “reng-reng” de mais um ano. Ainda bem. Sinceramente já não aguentava mais as férias escolares. Que me perdoem os meus filhos mas finalmente vou conseguir ter uns momentos de paz, só para mim e o meu novo hobby – bricolagem, de_coração e jardim. É por isso que as férias que tiro nesta semana são tão importantes para mim. Para começar bem. Para conseguir aguentar, para colocar os pensamentos, as prioridades, as emoções, no lugar, para não me esquecer que existo para além deles.  Enquanto isso vou levando uns mimos felinos. Estes bichinhos são realmente terapêuticos e, às vezes, parece que me lêm os pensamento. Se soubesse que assim era, antes, já os tinha trazido para casa muito há muito tempo.