Diz que é o Armageddon

Numa altura em que anda toda a gente meio ” transloucada” com a febre Trump, agradeço ter este feitio meio desligado quando se tratam de febres apocalípticas. Sinceramente, desconfio que, no que respeita ao assunto Trump, a montanha vai parir um rato. “Gosto” especialmente das comparações com Hitler, quando se sabe que este ganhou as eleições aclamado, coisa que não aconteceu, nem de perto, nem de longe, com Trump e confio na sadia democracia americana, com todas as suas formas de autocontrolo, assim como a sociedade civil, extremamente participativa – nada a ver com a portuguesa, portanto – para cortar pela raiz qualquer tentativa de “genocídio mundial” por parte de um senhor que representa, nem mais nem menos, do que o verdadeiro sonho americano e o americano, cidadão médio. Foi essa a democracia que permitiu que chegasse onde chegou, parece-me justo que provem um pouco do próprio veneno. Daí até ao apocalipse acho um pouco de alarmismo, comum, muito comum, nos dias de hoje. Parece-me que em termos de política externa provavelmente irá abandonar muitas das anteriores posições ( e isso é , em todas as frentes, mau? Não nos queixámos tantas vezes do excesso de intervencionismo americano? )

 Sempre fui adepta do esperar para ver e agir em conformidade. O que é completamente diferente do não agir, demasiado típico da nossa Europa. Acho que temos demasiados problemas na nossa “casa” para nos estarmos a preocupar demasiado com a casa dos outros, seja ela branca ou de outra cor qualquer. 

Por cá ando preocupada com a minha casa na verdadeira acepção da palavra. O quarto do meu mais velho está quase, quase pronto, e o querido mudei a casa fez um bom trabalho, exactamente como tinha sonhado. A sra que veio trazer a cama, um sommier bastante em conta, até me deu os parabéns pelo quarto, que estava muito bonito. Os parabéns não são só meus, já que só o sonhei, que eu de obra, o fazer, percebo pouco. O roupeiro está quase montado, falta mudar a janela para aumentar o efeito de isolamento do quarto criado pelo pladur. Para além de uma remodelação tenho uma forma de poupança em gasto energético, já que uma divisão bem isolada permite aumentar a eficácia energética da casa, o que ao fim do ano se transforma em dinheiro poupado. Investir para poupar, a melhor forma que conheço para fazer crescer, ao longo do tempo, o rendimento disponível. Além disso o miúdo ficou radiante com o quarto novo e se eles estão felizes logicamente, eu também estou. Quanto ao fim de semana? Apesar das “trumpetas” da desgraça, por cá, foi mais um fim de semana desportivo, futebol e hóquei com direito a jantar do clube e caderneta de cromos – não bastavam os cromos da bola agora temos também os cromos do hóquei, muito giro 😁 -Simples e divertido, como eu gosto!…