A beleza está em nós, a great big world, da nossa vida, natural como só eu, palavras, receitas para viver melhor, Ser

Não te esqueças…

O dia mais curto do ano e a noite mais longa. Chegou o Inverno, chegaram as férias de Natal.  Isso implica casa cheia. A forma mais fácil de os manter ocupados é ter a casa cheia de miúdos. Com tudo o que tem de bom e o que tem de menos bom. Hoje, tal como planeei, à tarde consegui descansar. Tudo graças ao meu carro que estava em tempo de ir à oficina e à inspecção e a espera não me permitiu ir ao teatro de Natal da Ludoteca. Isso nem os incomodou, tenho ido a todos e têm sido muitos. 

Não fiz tudo o que tinha para fazer nestas folgas mas isso é tão comum que não me incomoda nada. O que não se faz agora faz-se depois. A parte boa do meu cansaço, é que nas alturas em que estou mesmo cansada, vivo como se estivesse dormente, nada me atinge demasiado, mais ou menos tipo zombie. Estamos nessa fase. 

As notas vão, provavelmente, ser uma desilusão, mas lá está, como estou ao “red line”, nem consigo preocupar-me em demasia (por agora).  E o piruka que não há meio de se calar. Agora sim, percebo perfeitamente o que é a generation gap. 

Só preciso de força e coragem para ultrapassar mais esta fase (má). E talvez pensar mais um pouco em mim. Só que isso é complicado sem me sentir culpada. É a tal fase em que é necessário largar a mão, abrir o coração e reorganizar as prioridades de todos, tentando encontrar um meio termo. Eles são eles, hão-de ter os seus próprios sonhos. Eu sou a mãe mas não me posso esquecer que sou mais que isso. Mas esqueço. 

Chegou o Inverno, tempo de me reorganizar outra vez. Mas por mais que reorganize parece sempre que falta qualquer coisa 

Anúncios