a great big world, livros que leio, palavras, Poesia, T(extos) E(ntre) S(onhos)

Sonhadores involuntários

Sou absolutamente fã da contemporânea escrita africana de expressão portuguesa. De Mia Couto a José Eduardo Agualusa, passando por Ondjaki - uma poética que me fascina, os neologismos, a utilização prática da língua, rompendo com a estética complicada dando vida e musicalidade à linguagem, como se o meu alentejo e as suas vozes e raízes… Continue reading Sonhadores involuntários

Anúncios
A beleza está em nós, a great big world, da nossa vida, Domingos em família, Fotografia, natural como só eu, Poesia, rir é o melhor remédio, Ser

Alguém me diz o que se passou além do desporto, este fim de semana??? 

Empatámos, ganhámos e perdemos. Um fim de semana em que só me lembrei de casa para dormir. Um turbilhão de emoções e algum nervosismo à mistura. O único jogo que foi ganho foi o único em que não ficou claro o merecimento.  Falo do "meu" HCPG, em séniores e escolares e dos sub-17 do grandolafoot.… Continue reading Alguém me diz o que se passou além do desporto, este fim de semana??? 

a great big world, da nossa vida, filosofias existenciais, litoral alentejano, músicas da minha vida, Memórias, natural como só eu, palavras, Poesia, Ser, T(extos) E(ntre) S(onhos)

Requiem for a lover

Às vezes, por motivos inimagináveis, há músicas, que nos marcam logo da primeira vez que as ouvimos. Esta foi uma delas. Porque ainda hoje ando a tentar compreender o que me prende a esta terra que tanto me ensinou, tanto me deu e tanto me tirou... https://youtu.be/OK1q-cEnwms Em contagem decrescente para virar, finalmente,  a página… Continue reading Requiem for a lover

a great big world, da nossa vida, filosofias existenciais, litoral alentejano, Memórias, natural como só eu, palavras, Poesia, receitas para viver melhor, Ser

22.06.1977 – 22.06.2017 – 40 anos de irreverência e inconformismo

"A dois mil chegarás de dois mil não passarás"  - das profecias de Bandarra esta talvez seja a que mais memórias me traz, porque desde miúda que me habituei a temê-la. Na verdade, hoje parece-me muito mais inofensiva. Não faço conta de viver mil anos, portanto, não me parece que vá passar dos 2000, no… Continue reading 22.06.1977 – 22.06.2017 – 40 anos de irreverência e inconformismo