Requiem for a lover

Às vezes, por motivos inimagináveis, há músicas, que nos marcam logo da primeira vez que as ouvimos. Esta foi uma delas. Porque ainda hoje ando a tentar compreender o que me prende a esta terra que tanto me ensinou, tanto me deu e tanto me tirou…

Em contagem decrescente para virar, finalmente,  a página mais triste da minha história mas que me fez passar de miúda a Sra. 

Como me chamou o Romão hoje, sra Ana Lúcia, Bica acrescentam-me os genes.

Foi um gosto aprender o que aprendi, que prazer é uma coisa muito diferente! 

O livro 


Promete-me que quando o livro se fechar

Quando a história se acabar 

Te vais lembrar

De mim

Promete-me que 

Se os olhos se fecharem 

Quando as lágrimas se acabarem

Te lembrarás de mim

Se te lembrares 

Como as histórias acabavam

Quando os olhos se fechavam 

Sei que o amor não terá fim 

Enquanto andares por ai


O livro da vida é igual ao do amor

Se olhares com atenção

Vês melhor 

o que diz o coração 



[Il Libro Dell’ Amore (The Book of Love) (feat. Zucchero)]

Il libro dell'amore mi annoia
E pesa come l'anima
È pieno di
Carezze al cuore
E modi per danzare
Ma mi piace quando lo leggi tu
E tu di più
Tu puoi leggermi il cielo al blu

Il libro dell'amore suona
Nasce così
La musica
A volte un pò
Banale stona
A volte solo stupida
Ma mi piace quando la canti tu
E tu di più
Tu puoi cantarmi il cielo al blu

Il libro dell'amore mi annoia
È stato scritto tanto tempo fa
Pieno di fiori
Nella notte buia
Che non sappiamo cogliere
Ma mi piace quando li cogli tu
E tu di più
Dovresti darmi fede in più
Ma mi piace quello che sei tu
E tu di più
Dovresti darmi fede in più

Fedi nuziali e fede in più

https://youtu.be/iWrIjN27w_M

Inspiração

Acordei satisfeita. Sabes a sensação de saudade que se satisfaz?

 Sonhei contigo. 

De todas as coisas, a que mais gosto é ouvir-te a voz. A voz, só a voz é suficiente para te saber os jeitos e os trejeitos, a posição do corpo, a postura dos pés e os movimentos das mãos enquanto falas.

Dizem que é o amor que nos faz saber de cor do que mais temos no nosso monte de saudade. 

Perdi a conta ao calendário, perdeu-se o que sabia no tempo, mas nos sonhos tudo me vem de novo à memória como se tivesse sido ontem a última vez que estivemos juntos, o ultimo abraço, a ultima vez que me disseste(?)para sorrir, que de tudo era o que mais brilhava em mim. 

Vem-te o coração aos olhos, quando sorris. 

Talvez sorria demais por isso. Sei que onde estarás te alegras de me saber a sorrir. 

Não foi o suficiente para me conter as lágrimas do desgosto, das palavras que não disseste ou do que senti e nunca descrevi. 

Por dentro sei-te de cor e isso basta.

 A distância das galáxias garantem o mesmo céu por cima dss nossas cabeças e isso chega para continuar. 

Algures, o teu coração caminha e isso é o que me faz também caminhar.

 De corações parados enchi a minha saudade. Prefiro a distância do silêncio ao frio mortal da não existência. 

O fogo no peito arde e queima e alastra, mas mantém-se aceso. É dessa luz e do calor da memória que vivo agora.

Respiro. Sonho. 

E o sonho por si só mata-me a saudade e traz para perto o som da tua voz.